Hot spot

Meus 5 lugares preferidos em Madrid

10.03.2018

Hey!!

Sei que ando sumida e já fazem 2 meses que voltei de Madrid, minha cidade do coração- a saudade aperta todos os dias. Estou até pensando em escrever um post falando o porquê gostei tanto de lá, do bairro onde morava e outras curiosidades mais. Só tenho coisas boas para falar e uma delas é a minha listinha de lugares preferidos, tem lugares que a gente se apega real né! São lugares que me senti bem, feliz e que me surpreenderam por algum simples motivo. Bora começar! hehe

Começando pelo Ojalá , que foi o primeiro bar que fui no meu bairro, Malasaña, e é a coisa mais fofa do MUNDO! Sério, fiquei tão surpresa, eles arrasam na criatividade. Quando você entra é um bar fofinho e tudo mais, até que você chega no andar debaixo e se depara com uma “praia”. SIM, isso mesmo! O chão é de areia e todo mundo fica sentado nos banquetes, mesinha baixa, luzes neon ao redor e música good vibes para você curtir com as amigas, date ou quem for. É show!

ojalá3ojala-32

Além de drinks eles também servem brunch, sucos, milkshakes, smoothies e cervejas variadas.

Endereço: Calle de San Andrés, Madrid.

O próximo, El Viajero, um dos últimos lugares que conheci mas que me encantou de primeira. É um bar restaurante com 3 andares, onde cada espaço é distinto do outro dependendo da hora do dia. O primeiro andar fica mais reservado para as manhãs e tardes, contando com um menu com tortas, chás, cafés y cocktéis. Mais de noite o bar vira um ótimo ponto de encontro bohemio e vanguardista para os amigos se divertirem e experimentarem uns drinks.

el-viajero-3

Pra mim, é aquele lugar que você tem que sentar na terraza, pedir um vinho e ver o pôr do sol, é lindo demaaaais! Fica no bairro La Latina, que é rodeado de bares, vale a pena passear por lá.

el-viajero33

Endereço: Plaza de la Cebada, 11. Madrid

O restaurante Habanera é o melhor, sério! O ambiente é incrível, decoração moderna e aconchegante. É aquele lugar que você entra e pensa: boa escolha!

habanera7

A comida então… Pedi uma tortilla trufada para compartilhar, e pra quem não sabe, tortilla é um prato típico da Espanha, você encontra em qualquer lugar, mas é aquela coisa né, de tanto que tem é difícil acertar, mas essa é especial e de dar água na boca. Como prato principal, “cachopo de ternera blanca de Ávila con pimientos del piquillo y cebolla caramelizada“, muuito saboroso! E de sobremesa “tarta de galletas María, chocolate y lacasitos “La original”– que é basicamente uma torta mousse de chocolate com M&M´s.

habanera10

Endereço: Calle de Génova, 28, 28004 Madrid- bem na frente do metro Collon.

Agora é a vez das terrazas que mais me encantaram. Tenho um amigo que sempre dizia: “A Vicky é a louca das terrazas”, mas vai dizer, tem programa mais gostoso do que ir num lugar ao ar livre que você pode comer e ver a vista ou o pôr do sol tomando uma “copa de vino”?! Pra mim não tem! haha E Madrid tem muitas, que cidade mais maravilhosa, ô saudade…

La Cocina de San Anton é uma terraza que fica dentro do Mercado San Anton, no bairro Chueca. Com certeza é o meu lugar favorito em Madrid. Não tem nada de esplendoroso, mas sabe aquele lugar que você se sente bem?! Então! Acho que cheguei a ir umas 5 vezes. A comida é ótima e o rest é bem casual. Minhas melhores escolhas foram: “tempura de lagostinos con ensalada de brotes de soja” e “bacalao confitado con arroz cremoso de calabaza”.

san-anton3san-anton7

Endereço: Calle de Augusto Figueroa, 24, 28004

Por último mas não menos importante, bem pelo contrário, a Azotea del Círculo de Bellas Artes. A vista da terraza é LINDA! É o tal do must go! Com certeza é um dos lugares mais lindos. É sentar, tomar um vinho e apreciar o pôr do sol.

bellas-artes6bellas-artes11

Endereço: Calle de Alcalá, 42, 28014 Madrid

Esses são com certeza os meus lugares favoritos de Madrid. Em primeiro fica o Parque del Retiro, que é MARAVILHOSO!

Espero que gostem das dicas, tenho muuuitas para compartilhar com vocês! Aguardem os próximos posts!

beijos, Vicky Christine
Cartão Postal

Amsterdam + Haia: pedalando no país da liberdade

19.12.2017

Post por: Jacqueline Glasmeyer

Esse ano participei de uma competição internacional acadêmica pela faculdade (24th Willem C. Vis International Commercial Arbitration Moot ) que ocorre todo ano em Viena, Áustria, assim como participei do pre-moot da Permanent Court of Arbitration que fica em Haia, na Holanda (uma espécie de treino para a competição oficial). Claro que entre Tribunais, tardes de estudos e treinos, eu e meu grupo de estudos conseguimos conhecer um pouquinho das cidades que ocorreram os eventos e também aproveitei para ficar mais uma semana pela Europa Central após o fim da competição.

Bom, antes de falar de Haia, na Holanda, onde ocorreu o pre-moot da PCA dentro do Palácio da Paz, eu e minha amiga Paula passamos dois dias em Amsterdam, a cidade das bicicletas, dos canais e da Cannabis. Com certeza já está no top 5 das minhas cidades preferidas do mundo e por isso, quero ressaltar algumas dicas de lá. A cidade não é muito grande, mas realmente tem muita coisa pra fazer, então, se não tiver muito tempo para conhecer todos os museus e se for fã de arte moderna, sugiro que vá no Moco Museum (honestamente preferi mais esse do que o Museu do Van Gogh). Lá você vai conseguir encontar exibições de artistas incríveis como o anônimo artista de rua britânico Banksy, o ousado Andy Warhol e se der sorte como eu, Salvador Dali. E pra ficar ainda melhor, lá você vai pagar um preço bem justo, fugir da turistada, pois nem todo mundo conhece o Moco e de quebra vai estar no chamado Museumplein (praça dos museus) aonde tem um gramadão verde lindo aonde as pessoas ficam sentadas conversando entre amigos e várias barraquinhas de comida, inclusive aquela famosa porção de batata frita que vem no cone.

Falando em comida, não posso deixar de recomendar a Japanese Pancake World (que já havia sido recomendado por outro amigo). Lá em Amsterdam as panquecas são muito famosas, mas essa panqueca japonesa foi com certeza a melhor que já comi na vida. Não vá com grandes expectativas quanto ao lugar, pois é bem pitoresco, tem pouquíssimas mesas e poucos funcionários, mas que fazem a panqueca com muito capricho.

ams7

O Red Light District, é onde ficam as famosas prostitutas meio a luzes vermelhas, e essa área da cidade cheia de coffe shops como o renomado Bulldog. Pode parecer loucura, mas realmente é bem divertido e interessante, mas cheio de turistas. Se quiser mais sossego, sugiro ficar um pouco afastado dessa região e encontrar um lugarzinho show como eu e minha amiga fizemos ao alugar um quarto de frente para um dos canais de Amsterdam pelo Airbnb, apaixontante.

ams4

PS: cuidado para não ser atropelado pelos ciclistas! Lá tem mais bikes do que pessoas e vai ver pouquíssimos carros. Se souber pedalar, não deixe de alugar uma bike para se divertir (com muita prudência) meio aos sinaleiros e faixas especiais para ciclistas, entre os holandeses carregando seus filhos em cestas e as holandesas de saia e salto alto pedalando.

Se for ficar pela Holanda por um tempo, o ideal é comprar o cartão da Dutch Railways (NS) e colocar euros nele. Ao pegar os trens ou tramps, como eles chamam, você apenas passa o cartão na hora de entrar e outra vez na hora de sair. Pegamos aquele trem de primeiro mundo de Amsterdam para Haia e chegamos em torno de 1h (que eu me lembre paguei algo próximo a 20 euros).

Haia é a capital política da Holanda e lá ficam situadas diversas Organizações e Tribunais Internacionais. Alugamos uma (maravilhosa) casa pelo Aribnb perto do Palácio da Paz, conhecido como sede do direito internacional, pois é lá que fica a Corte Internacional de Justiça da ONU, uma das mais vastas bibliotecas de Direito Internacional do mundo e a Corte Permanente de Arbitragem, que realizou o pre-moot que participamos.

É uma cidade extremamente linda, calma, limpa e amigável. Os holandeses que encontramos por lá foram muito simpáticos e assim como em Amsterdam, todos andam de bicicleta. Diferente da capital da Holanda, o comércio e lojas fecham cedo, inclusive restaurantes, mas se tem um restaurante que recomendo, é o Jamey Bennett Bar & Kitchen, que dá pra ir a qualquer hora do dia, seja no café da manhã, almoço, jantar ou apenas para tomar uns drinks. Tem um cardápio bem variado e fica em uma praça super fofa, logo em frente ao lago que está localizado o Binnenhof, casa parlamentar mais antiga do mundo em uso, uma vista e tanto!

ams2

Também ao contrário de Amsterdam, Haia não tem tanto turistas, o que torna todos os passeios bem mais agradáveis. A exemplo disso, estão os coffe shops: em Amsterdam, os mais tranquilos são mais afastados do centro, e em Haia não há muitos, mas não posso deixar de recomendar o DizzyDuck – zero turistas, ambiente agradável, locais simpáticos e um bom atendimento.

Por último uma dica para quem for na primavera (que dizem ser a melhor época para conhecer a Europa): visite o Keukenhof, os jardins das lindas e coloridas tulipas! Eu não fui porque não tive tempo por causa da competição e por isso acabei vendo os campos de tulipas apenas pela janela do trem, mas na verdade esse é um passeio imperdível na primavera.

ams

PS: Lembre de manter o respeito no território deles, dentro dos coffe shops os holandeses não gostam que fiquem falando alto e fazendo farra (típico de brasileiros haha). Por lá, a vibe é ouvir um som, trocar uma ideia e manter o ambiente mais silencioso.

beijos, Vicky Christine
Cartão Postal

Dinamarca: Lugar das pessoas mais felizes do mundo

28.11.2017

Post por: Marianna Jordan

Com certeza absoluta foi a minha cidade preferida de toda a viagem. Fiquei extremamente encantada com a felicidade estampada no rosto das pessoas de Copenhagen, não é por acaso que os dinamarqueses são conhecidos como as pessoas mais felizes do mundo. Me senti muito bem acolhida e respeitada por eles, principalmente depois de ter visto um povo frio como os Russos. Além de felizes e educados é nítido ver como os dinamarqueses se orgulham de sua etinia. A cidade não é muito grande mas tem de tudo e mais um pouco para fazer. Um fato muito legal é que Copenhagen se volta muito para atender a família inteira, ou seja, na maior parte de seus espaços existe uma integração para as crianças também. Outra coisa que me encantou foi a facilidade de encontrar alimentos orgânicos, na verdade quase tudo lá é, e por onde você vai vão existir opções saudáveis para comer.

post-mari

As pessoas lá não usam muito carro e sim bicicleta, inclusive em dias chuvosos. Também não senti muita diferença de classes, não existe divergência exuberante de região mais rica/mais pobre como vemos claramente aqui no Brasil. Mais uma coisa muito interessante foi ver como eles priorizam os encontros, sejam eles com família, amigos, parceiros de trabalho… No fim da tarde todos os barzinhos, restaurantes e cafés estão sempre lotados, independente do dia da semana. Com essas pequenas características já podemos imaginar o porque de eles serem tão felizes, né?

post-mari6

Vamos para as dicas de lugares para conhecer: primeira e, para mim hehe, mais importante é visitar o Tivoli, um parque de diversões no centro da cidade onde além de brinquedos imperdíveis, possui diversas lojinhas, cafés e restaurantes muito fofos (ainda mais lindos a noite, todos iluminadinhos).

post-mari5

Também indico passear pela rua dos pedestres, onde encontram-se varias lojinhas, desde souvenirs até lojas de marca famosas (recomendo comerem as amêndoas caramelizadas, tem à cada canto desta rua). Uma ótima indicação de lugar para comer é a Torvehallerne, para quem conhece a Mercadoteca de Curitiba pode-se dizer que é bem parecido, mas no caso a de Copenhagen é muito maior e com mais variedade de comidas. Outro lugar muito bacana para comer lá é o “Copenhagen Street Food”, que nada mais é do que um enorme armazém cheio de foodtrucks com comidas típicas de todos os gostos e países. A parte turística, como as igrejas e palácios não chegamos a visitar, mas vimos algumas coisas por fora e posso dizer que são construções muito bonitas. Outro programa interessante para fazer lá é assistir à um concerto de Ópera, também não chegamos a ir mas dizem que vale muito a pena. Pelo pouco tempo que fiquei em Copenhagen já me apaixonei pela cidade, espero voltar em breve para conhecer ainda mais sobre a cultura e o jeitinho dinamarquês de ser.

post-mari4post-mari3post-mari2

beijos, Vicky Christine
Me Siga no Instagram // @vickychristine_
Busca